Bruno Rocha vence duas em Joinville e dispara na liderança do 2º turno

Bruno Rocha vence duas em Joinville e dispara na liderança do 2º turno

Sob muita chuva, piloto do Fast Lap Racing Team deu verdadeiro show de pilotagem no GP de Joinville.

Uma das mais tradicionais e aguardadas provas do calendário da Copa RNK, o GP de Joinville reuniu, no último sábado (31/08), 49 pilotos que enfrentaram muita chuva e proporcionaram um verdadeiro show no Kartódromo Internacional de Joinville. Mais uma vez marcada pela excelente estrutura e organização oferecida pelo Parque Integrado e pela qualidade e equilíbrio dos rental karts 13 hp do kartódromo da Manchester catarinense, a rodada dupla contou pontos para a 2ª rodada do campeonato e rendeu elogios por parte de todos os participantes e público que acompanhou a jornada.

A chuva que se abateu sobre a pista a partir da segunda bateria foi um ingrediente a mais para prender a atenção de quem acompanhava as disputas. A experiência, o talento e o arrojo na medida certa foram os fatores que acabaram decidindo os resultados diante das condições imprevisíveis e adversas. “Com a chuva variando de intensidade o tempo todo, a cada volta as condições da pista mudavam, dificultando a escolha do melhor traçado”, explicou Chico Johnscher.

Bruno Rocha voltou de Joinville mais líder do que nunca e deu um grande passo para repetir o feito do primeiro semestre e conquistar também o 2º turno.

10º GP de Joinville

O traçado escolhido para a primeira prova foi o completo, no sentido horário. Com 17 pilotos, a série C foi a única realizada no seco. Correndo pela primeira vez na RNK, o piloto local Rodrigo Basquera largou na pole e venceu com tranquilidade enquanto Fernando “Baiano” Durando, Juliano Cunha e Otto Jr. duelavam pela segunda colocação. No terço final, Cunha se consolidou em 2º, com Baiano em 3º e Otto em 4º. A melhor disputa da bateria aconteceu no pelotão seguinte, entre Bassam Hajar, Anderson Rocha, Elvira Cilka e Marcelo Saito. Um enrosco acabou tirando Bassam da briga, e tudo indicava que Andershow terminaria administrando o 5º lugar. Nas últimas curvas, entretanto, Saito deu o bote e conquistou o último lugar do pódio. A essa altura, os primeiros pingos de chuva já caíam e começavam a deixar a pista escorregadia em alguns pontos. Elvira Cilka também arriscou tudo na linha de chegada, a ponto de não conseguir vencer a curva e parar na barreira de pneus, terminando mesmo em 7º. Os três cruzaram a linha praticamente lado a lado.

A série B se preparava para o qualify quando a chuva veio pra valer. E dali, em diante, os poucos momentos de trégua não eram o suficiente para melhorar o estado da pista, a não ser para fazer poças surgirem aqui e desaparecerem acolá, modificando as condições do piso indefinidamente. Jackson Gonçalves largou na primeira fila e venceu de ponta a ponta, tendo sempre Fábio Mathoso em seu encalço, mas sem oferecer ameaça real. Os dois abriram quase 20 segundos de vantagem para o 3º colocado, Everton Tonel, que só foi acossado nas primeiras voltas por Guilherme Medeiros, até que este rodou, sem no entanto perder a posição. Chico Johnscher, que largara no meio do grid, vinha em excelente recuperação, alcançando a 5ª colocação ainda no início da bateria. A poucas voltas do fim, porém, seu motor apagou alijando-o da briga pelo pódio. Bruno Tarachuka foi o 5º colocado.

Infortúnio semelhante enfrentou Eugenio Fabian logo na terceira volta da série A, quando era o 4º colocado, ficando mais de uma volta parado. Andrey Lima partiu na ponta, com Bruno Rocha e Luiz Brambila na cola. Um escorregão de Brambila permitiu a aproximação de Eduardo Johnscher, de modo que dois pelotões se formaram: Andrey e Bruno na frente, abrindo vantagem, e Brambila e Johnscher brigando pelo 3º lugar, disputas que se mantiveram por toda a bateria. Bruno Rocha acabou superando Andrey para vencer, enquanto Eduardo levou a melhor sobre Luizinho terminando em 3º. Luiz Brambila ainda seria penalizado em 10 segundos por ter excedido os limites da pista ao fechar a primeira volta, caindo para 5º. Anderson Vieira herdou a 4ª posição.

11º GP de Joinville

A 2ª prova da rodada foi desenvolvida em traçado inédito para a RNK, o circuito 4 do Kartódromo Internacional de Joinville, suprimindo o primeiro grampo do sentido anti-horário, o que o transformaria em uma curva de alta – caso não chovesse. Nas condições que se apresentaram, contudo, acabou se transformando num dos principais pontos de ultrapassagem.

Na série C, o que se viu foi amplo domínio dos pilotos rebaixados da série B anterior, com 7 de seus 8 pilotos terminando entre os 10 primeiros. Nito Ramirez e Emygdio Westphalen foram os intrusos que terminaram no pódio. Com a vantagem de largar na frente pelo grid invertido, Claudinha Cardozo pulou da segunda fila para a liderança ainda na primeira volta, abrindo sólida vantagem na primeira metade da prova, enquanto outros pilotos fortes que largaram para trás tentavam abrir caminho. Fernando Rodrigues, estreando nas pistas, surpreendia mantendo-se bom tempo em 2º e protagonizando bela disputa com Everson Calaes, Emygdio Westphalen, Nito Ramirez e Menyr Zaitter, que acabou rodando após um toque de Ramirez.

Quando tudo parecia encaminhado para uma vitória tranquila, a piloto da Box 45 rodou e abriu caminho para Calaes e Nito brigarem pela ponta. A corrida se definiu com a vitória de Calaes e Nito Ramirez em 2º. Claudinha ainda rodaria de novo perdendo mais uma posição para Emygdio Westphalen. A bateria ainda reservaria, nas últimas voltas, a disputa pelo 5º lugar entre Chico Johnscher e Bruno Bogus – o primeiro largara da última posição e o segundo caíra para último após rodar na primeira volta. Chico levou a melhor depois de Bruno sofrer um toque de um retardatário.

A série B foi formada pelos oito pilotos que caíram da série A anterior e pelos oito que subiram da C. Largando na primeira fila, Eugenio Fabian e Adriano Goulart abriram vantagem e disputaram sozinhos a ponta praticamente por toda a bateria, com Goulart quase sempre à frente. Vindo do meio do grid, Carlos Feijão abriu caminho e chegou na briga, ultrapassou Eugenio e foi para cima de Adriano, mas este soube se defender e garantiu a vitória. José Lellis corria tranquilo em 4º, até ser superado no fim por dois pilotos que largaram da última fila: Juliano Cunha e Rodrigo Basquera. Este, aliás, já tinha avançado algumas posições quando rodou ainda ao completar a segunda volta, mas teve tempo e habilidade suficiente para escalar o pelotão e terminar em 4º, superando na última volta Lellis e Cunha – este, na linha de chegada para ser mais preciso.

Reunindo os oito melhores da A e B anteriores, a série A, como era de se esperar, foi a melhor bateria da rodada. Bruno Rocha fez uma corrida simplesmente fantástica, saindo da última posição do grid para ultrapassar um a um todos os oponentes e receber a bandeirada em primeiro. Jackson Gonçalves também foi perfeito, largando da última fila e chegando em 2º. Na largada, António Keps prevaleceu-se da primeira posição no grid e sustentou a liderança até cerca da metade da prova, quando começou a ser superado por quase todos adversários. Luiz Brambila assumiu a ponta, mas não conseguiu deter o avanço de Bruno Rocha, Jackson, Tido Olmedo, Andrey Lima e Fábio Mathoso – estes dois também haviam largado lá de trás. Enquanto Bruno e Jackson se firmavam nas duas primeiras posições, a melhor briga se estabeleceu entre Luizinho, Tido, Andrey e Mathoso. Na última volta, a chuva intensa foi apagada pelas faíscas entre os pilotos. Mathoso conseguiu passar Tido em manobra arriscada na curva da bandeirada, o que rendeu alguns “elogios” entre ambos após a chegada. Mais polêmica ainda foi a ultrapassagem de Luizinho sobre Andrey, também na bandeirada, utilizando a zebra raiada proibida conforme convencionado no briefing. A manobra rendeu mais uma punição a Brambila, confirmando-se o 5º lugar para Andrey.

Campeonato

Após realizadas quatro etapas e já descartada pior pontuação de cada piloto (N-1), Bruno Rocha consolidou a liderança com 77 pontos, 10 à frente do vice-líder, agora Jackson Gonçalves. Em seguida vêm Adriano Goulart e Fábio Mathoso (65), Anderson Vieira e Luizinho Brambila (64), Andrey Lima (62), Eduardo Johnscher e Tido Olmedo (57). Thiago Pilkel, Guilherme Medeiros, Carlos Feijão e Juliano Cunha dividem a 10ª colocação com 56 pontos.

Entre as equipes, a Fast Lap Racing Pro lidera com 135 pontos, seguida pela Box 45-2 e RBR 1 com 121.

A rodada decisiva do 2º turno da Copa RNK acontecerá no inédito Kartódromo do Jordão, em Guarapuava, no dia 12 de outubro, contando mais uma vez com o apoio de Candy Shop, Correta Redações, Fast Lap Kart Indoor, Acrílico Shalon e Família Scopel, que fornece o espumante Labrusca, alegria dos vencedores no pódio.

Fechar Menu
×
×

Carrinho