O que seria do ponto de vista “Rally”?

Quando falamos em distância focal, logo vamos para o mundo dos fotógrafos. Abertura, velocidade de obturador, e por aí vai.

Nesse caso eu vou falar sobre a distância segura para se focar em um carro a mais de 100 km/h, em uma rua de cascalho e que vem trazendo tudo que pedra junto com ele.

Quanto mais longe melhor, certo? Errado. Fotos boas só aparecem quando a gente arrisca, e quem arrisca erra, ou acerta, não tem lugar pra fotos comuns feitas com uma teleobjetiva a 200m de distância da pista.

Pra ser doido o suficiente em uma foto radical tem algumas regras.

Conhecer o carro, o piloto, a pista e não ser bom da cabeça, não ouvir sua esposa. (isso sim é doidera). Ficar embaixo do carro?? Ou, ignorar sua esposa?

Foto do meu amigo Clayton Medeiros.

 Saber que o carro vai passar muito perto em uma velocidade grande, e que o tempo para clicar é muito curto. Se errar não rola segunda chance, talvez ano que vem .

Mas se acertar ficam imagens memoráveis. Dignas de se fazerem quadros.

Se já deu ruim?

Sim, perdi lentes, levei pedradas, comi lama e por ai vai. Mas como disse Confúcio:

“Escolhes um trabalho de que gostes e não trabalhará nem um dia da sua vida”

Tem que ser da natureza do fotógrafo enfatizar a velocidade e obter a realidade dos efeitos na imagem em automobilismo. Simplificando: Pense diferente.

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta